Criação de equipa cinotécnica de detecção de venenos no Douro Internacional

Foram apresentados esta semana, em Miranda do Douro, os dois binómios cinotécnicos especializados na detecção de venenos (com um cão pastor Belga Mallinois e um cão pastor Alemão) criados juntamente com o coordenador, em conjunto com militares do Serviço de Proteção da Natureza e Ambiente (SEPNA), que irão intervir nas Zona de Proteção Especial (ZPE) do Douro Internacional e Vale do Rio Águeda.

A criação de binómios detectores de venenos irá aumentar a capacidade de vigia e controlo da ameaça, onde o despiste de casos de envenenamento na natureza será efetuado por patrulhas cinotécnicas regulares nas áreas de intervenção do Projeto que terão um carácter:

* Preventivo: com o intuito de detectar situações de uso ilegal de venenos, nomeadamente a presença de iscos envenenados. Nestas situações, a utilização de cães permite fiscalizar áreas muito extensas e, por vezes, de difícil acesso;

* Reactivo: com o intuito de verificar situações com cadáveres ou animais selvagens ou domésticos, com indícios de envenenamento;

* Criminal: facilitando a abertura de processos criminais com uma maior quantidade e qualidade de provas obtidas, num processo conduzido pelo mesmo órgão (detecção, recolha e processamento, investigação), aumentando a probabilidade de determinação e culpabilização dos responsáveis.

A este patrulhamento intensivo, concretamente direccionado à proteção da águia perdigueira e do britango, está associado um efeito preventivo e dissuasor decorrente desta presença constante e regular no terreno.

A Guarda Nacional Republicana participa, até maio de 2019, no projeto Life Rupis: Conservação da águia perdigueira e britango, através do patrulhamento especialmente direccionado para a detecção de venenos com a criação de uma equipa cinotécnica de deteção de venenos, no Douro Internacional.