Palombar contribui para censo europeu de inverno do milhafre-real

A Palombar – Associação de Conservação da Natureza e do Património Rural vai contribuir para a realização do censo europeu do milhafre-real (Milvus milvus) invernante, que decorre entre os dias 1 de janeiro e 3 de fevereiro.

O objetivo do censo é realizar a contagem dos dormitórios conhecidos de maior dimensão e promover a recolha de mais dados sobre dormitórios e outras concentrações de milhafre-real em todo o país. 

Milhafre-real ( Milvus milvus )

Milhafre-real (Milvus milvus)

O censo é realizado em diversos países da Europa, sob a coordenação da Liga para a Proteção das Aves (LPO, na sigla em francês), em França. Em Portugal, é organizado pela Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) e pela Liga para a Proteção da Natureza (LPN), em parceria com outras associações e entidades, e decorre no território continental.

Os primeiros censos de milhafres-reais invernantes foram realizados em janeiro de 2015, tendo contado, já nesse primeiro ano, com o contributo da Palombar.

O milhafre-real (Milvus milvus) é uma ave de rapina pouco abundante no território nacional. Está presente sobretudo na faixa fronteiriça oriental, distritos de Bragança, Guarda, Castelo Branco, Portalegre, Évora e Beja. A população invernante ocorre nessas mesmas áreas, mas também de uma forma dispersa por todo o sul do país.

A sua população residente em Portugal tem um estatuto de conservação "Criticamente em Perigo", já a população invernante tem um estatuto "Vulnerável", segundo o Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal.

É uma ave que prefere habitats florestais associados a zonas agro-silvo-pastoris. A espécie é monogâmica e nidifica em árvores, normalmente de grande porte, e coloca entre um a três ovos. Ambos os progenitores cuidam das crias. Pode ocupar ninhos de outras aves de rapina florestais e também reutiliza ninhos de anos anteriores.

Relativamente à sua alimentação, tanto caça presas vivas, como também tem hábitos necrófagos. Animais silvestres de pequeno porte (micromamíferos, aves, peixes e invertebrados), cadáveres de animais e os restos e desperdícios urbanos integram a sua dieta.

Atualmente, o milhafre-real está sujeito a várias ameaçadas no território nacional, como o abate a tiro, o uso de veneno e a redução da disponibilidade alimentar, entre outras.

Esta é uma das espécies-alvo de conservação do projeto ConnectNatura da Palombar.